Follow by Email

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Primeiro pedacinho da Saga de Chico ou O Morro...

Eu li num lugar que escrever é tal e qual fazer brigadeiro, vai juntando coisas, mexendo, virando, acarinhando e quando você menos espera ta lá o bicho pronto... aí é devorar...
Fiquei pensando nisso (acabei fazendo brigadeiro nesse meio tempo) e resolvi começar a juntar ingredientes... panela, carinho, açúcar(não muito), atenção, pesquisa, emoção, e boas pitadas de humor (só pra temperar).
I

Chico do Francisco era Mestre Sala, daqueles dos bons, que cortejava sua Porta Bandeira com todo amor e segundas intenções para desespero de Guimba, o marido da Dita. Quem era Dita? Era a Deusa do morro.
Posto já as três figuras vou esmiuçá-las com mais afinco (gosto dessa palavra esmiuçar, pra mim é uma palavra colorida, porque pra mim toda palavra tem sua cor, agente enche a boca depois cospe ESMIUÇAR). Vamos começar com Chico do Francisco, Chico vem de uma família muito criativa. O nome do seu pai era Francisco, o do seu avô era Francisco, o do pai do avô era Francisco, era uma raça enorme de Franciscos, sabe como é no morro... Quem é esse sujeito???? Ahhh é o fulano filho de Fulano e aí o Chico virou Chico do Francisco, fica um pleonasmo familiar (Pleonasmo é aquele negócio de “entrar pra dentro”, “vi com meus olhos” e pleonasmo pra mim é cor de abóbora, quase ocre).

Então o povo criativo produziu o Chico, Chico era aquele gente boa (muito boa, diga-se de passagem, uma coisa de moreno!) era aquele amigão, aquele que podemos contar no hora do aperto, chama o Chico que ele resolve em três palitos, durante o ano ele tinha um emprego de “gente normal” era ajudante de caminhão, carregava e descarregava cerveja, Ehh laiá... Mas na hora de trabalho ele só carregava e descarregava nada de carregar para o próprio copo. Trabalhava duro o Chico, sustentava a casa com a mãe, a irmã, os filhos da irmã e o cunhado (se cunhado fosse bom não começava com... você sabe). Chico passava os dias carregando cerveja nas costas e o cunhado passava o dia bebendo e fazendo a mesma piadinha mequetrefe... “Estou valorizando o trabalho do cunhadão, ele faz tanto esforço pra carregar que eu faço  o esforço de beber”, Chico “garrou” um ódio pelo sujeito, como que sua irmã, uma menina tão bacana (feia, mas bacana) conseguiu casar e se reproduzir com aquele sujeito, mas tudo tem um lado bom... Os sobrinhos eram boa parte da vida de Chico, o tempo que ele tinha livre ele brincava com os moleques (Moleque não é uma palavra  amarela? Um amarelo bem vivo, bem forte, bem brilhante...) era uma confusão... vuco vuco, um monte de “seiláoquê” acontecendo ao mesmo tempo... um berrava com a bola o outro berrava com a pipa e o outro com aquele bicho eletrônico que o Chico comprou no Natal, caraca que troço caro vai pagar em 10x sem juros... Mas valeu a carinha dos moleques (agora num amarelo mais clarinho, carinhoso).

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Questionamentos

Caríssimos...

   E então, o que vocês acham?? O Brasil acordou, só estávamos esperando um momento de grande exposição??? É pacífico? Tem que ser? 
   "Verás que um filho teu não foge a luta" Todos eles?? A maioria?? O importante é que tem alguma coisa acontecendo, não estamos naquele marasmo, naquela coisa de gato de armazém...
   Em tempos de Copa das Confederações, de Ronaldo dizer que não se faz Copa com hospitais, O doido do Feliciano aprovar a "Cura gay", os brasileiros partiram para as ruas... Então galera, não vamos esquecer dos absurdos que tentam nos entubar...
   

terça-feira, 18 de junho de 2013

Engostosar

                               
     É claro que eu gostaria de ser gostosa... É pura hipocrisia a mulher que diz que não se importa com isso. Para deixar bem claro, eu não quero ser gostosa, quero ser inteligente, perspicaz, ter personalidade, bom caráter, ser engraçada e também ser gostosa... É pedir muito???
   Mais esclarecimentos, sou uma gorda muito feliz, não me importo em comprar roupas na parte plus size da loja, me importo é em pagar uma fortuna em uma blusinha mequetrefe que no tamanho normal é a metade do preço, me importo em ter dor nas articulações e na coluna devido ao peso, me importo em ter os ombros marcados e machucados pela alça do soutien, mas não me importo em ser gorda, resolvi isso na minha cabeça, mas seria mentira se eu dissesse que não queria caber em uma calça 44, meu tamanho nunca me impediu de fazer nada, mas o preconceito alheio já me impediu de muita coisa...
    Já perdi oportunidades de emprego por ser gorda e não pensem que ia ficar expondo minha figura na medina da empresa, não meus caros, não ia!!! Eu ficaria dentro de uma sala cuidando da qualidade do atendimento de uma empresa, e olha que eles precisavam de alguém sensato.
    Ser gorda não me impediu de ter um relacionamento de sucesso, isso mesmo, morram de inveja , eu tenho um relacionamento de sucesso e meu marido nunca reclamou da gordura, exceto pelo dia que nós quebramos o estrado da cama pela terceira vez!!

    Confesso que não me empenho muito em “engostosar”, tomo remédios que me impedem de emagrecer e não consigo largar o vício da Coca Cola, mas vou tentar, JURO... não para “engostosar” para o grande público, mas para ficar mais saudável e conseguir subir a rua de uma vez só!!!!